segunda-feira, 1 de junho de 2009

Impostos, impostos e mais impostos

6 comentários:

Débora disse...

Oi,querido

Que diferença é essa,uai?
Moro em São Paulo e acho que vou pro Rio,o que acha?Ou talvez,siga seu conselho:viverei à luz de velas!rs

beijos

Maldita Futebol Clube disse...

Vamos organizar uma campanha nos blogs.... tipo uma blogagem coletiva contra os impostos, o que acha? uma coisa para daqui há um mês por aí...seria bem interessante!

Luciana disse...

Tem imposto pra tudo nessa vida, mas eu não sabia que o daqui de Minas é um dos mais altos...

É uma bandidagem descarada!

Patty disse...

Nossa, tá tudo diferente aqui. Apagou a luz? hahaha
A gente paga um imposto e sempre aparece mais um.

Um beijo

Jou Jou Balangandã disse...

Pior que pagar caro é pagar e não ter qualidade ... ontem fiquei algumas horas sem luz, e não foi nem a primeira nem a segunda vez nos últimos meses!

MR disse...

Em resposta a IMPOSTOS, lembro:

Carta-resposta de um Juiz ao Presidente Lula publicada no Estadão.

Te mandei por email.

Veja a carta que um juiz colocou no jornal de hoje:
Carta do Juiz Ruy Coppola (2º TAC) .

Mensagem ao presidente!


Estimado presidente, assisti na televisão, anteontem, o trecho de seu discurso criticando o Poder Judiciário

e dizendo que V. Exa. e seu amigo Márcio, ministro da Justiça, há muito tempo são favoráveis ao controle

externo do Poder Judiciário, não para 'meter a mão na decisão do juiz', mas para abrir a 'caixa-preta' do Poder.
Vi também V. Exa. falar sobre 'duas Justiças' e sobre a influência do dinheiro nas decisões da Justiça.

Fiquei abismado, caro presidente, não com a falta de conhecimento de V.Exa., já que coisa diversa não

poderia esperar (só pelo fato de que o nobre presidente é leigo), mas com o fato de que o nobre presidente

ainda não se tenha dado conta de que não é mais candidato.
Não precisa mais falar como se em palanque estivesse; não precisa mais fazer cara de inconformado,

alterando o tom da voz para influir no ânimo da platéia. Afinal, não é sempre que se faz discurso na porta da Volks.

Não precisa mais chorar. O eminente presidente precisa apenas mandar, o que não fez até agora.

Não existem duas Justiças, como V. Exa. falou. Existe uma só.

Que é cega, mas não é surda e costuma escutar as besteiras que muitos falam sobre ela.

Basta ao presidente mandar seu amigo Márcio tomar medidas concretas e efetivas contra o crime organizado.

Mandar seus demais ministros exercer os cargos para os quais foram nomeados.

Mandar seus líderes partidários fazer menos conchavos e começar a legislar em favor da sociedade.
Afinal, V. Exa. foi eleito para isso.

Sr. presidente, no mesmo canal de televisão, assisti a uma reportagem dando conta de que,

em Pernambuco (sua terra natal), crianças que haviam abandonado o lixão, por receberem R$ 25

do Bolsa-Escola , tinham voltado para aquela vida (??) insólita simplesmente porque desde janeiro

seu governo não repassou o dinheiro destinado ao Bolsa-Escola . E a Benedita, sr. presidente?

Disse ela que ficou sabendo dos fatos apenas no dia da reportagem.
Como se pode ver, Sr. presidente, vou tentar lembrá-lo de algumas coisas simples.

Nós, do Poder Judiciário, não temos caixa-preta. Temos leis inconsistentes e brandas

(que seu amigo Márcio sempre utilizou para inocentar pessoas acusadas de crimes do colarinho-branco).

Temos de conviver com a Fazenda Pública (e o Sr. presidente é responsável por ela, caso não saiba),

sendo nossa maior cliente e litigante, na maioria dos casos, de má-fé.
Temos os precatórios que não são pagos.
Temos acidentados que não recebem benefícios em dia (o INSS é de sua responsabilidade, Sr. presidente).
Não temos medo algum de qualquer controle externo, Sr. presidente.
Temos medo, sim, de que pessoas menos avisadas, como V. Exa. mostrou ser, confundam controle

externo com atividade jurisdicional (pergunte ao seu amigo Márcio, ele explica o que é).
De qualquer forma, não é bom falar de corda em casa de enforcado.
Evidente que V. Exa. usou da expressão 'caixa-preta' não no sentido pejorativo do termo.
Juízes não tomam vinho de R$ 4 mil a garrafa.
Juízes não são agradados com vinhos portugueses raros quando vão a restaurantes.
Juízes, quando fazem churrasco, não mandam vir churrasqueiro de outro Estado.
Mulheres de juízes não possuem condições financeiras para importar cabeleireiros de outras unidades da Federação, apenas para fazer uma 'escova'.
Cachorros de juízes não andam de carro oficial.
Caixa-preta por caixa-preta (no sentido meramente figurativo), sr. presidente, a do Poder Executivo é bem maior do que a nossa.
Meus respeitos a V. Exa. e recomendações ao seu amigo Márcio.

P.S..: Dê lembranças a 'Michelle'.

(Michelle é cachorrinha do presidente que passeia em carro oficial)


Ruy Coppola, juiz do 2.º Tribunal de Alçada Civil do Estado de São Paulo, São Paulo

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails